Fechar Página

Sandra Campos
    Sandra Campos nasceu em Feira de Santana-BA e formou-se em Pedagogia pela UEFS. Na universidade começou a escrever crônicas que eram lidas em algumas aulas. Voltou a escrever em 2013, por prazer pessoal. Em 2014 passou a publicar seus textos no jornal A Tribuna, de Rondonópolis-MT, cidade onde mora atualmente e desde 2015 é colunista do Viva Feira. A primeira crônica publicada em agosto de 2014, “O homem avulso”, já revelava as linhas de força de seu estilo: a escrita leve e espontânea, o lirismo e a intertextualidade, o olhar sutil e ao mesmo tempo agudo dos lances da vida. A crônica “Leve sua filha à feira”, escrita em janeiro de 2014, retrata a feira livre da Estação Nova, que ela costumava frequentar aos domingos com duas amigas de infância. Essa crônica leva o leitor a pensar na beleza e nas lições que não raro se ocultam sob a pseudobanalidade do cotidiano. A crônica que a autora considera a mais carregada de sentimentos e emoções, e também a mais comentada no site do jornal, é “A carta”, uma homenagem a sua mãe Celina. A cronista lançará em breve seu livro de estreia, “O homem avulso: crônicas e contos”, Editora Penalux. Aguardem.  (Texto: Marcelo Brito da Silva)



CRÔNICAS E OUTROS TEXTOS

Sobre o livro "O homem avulso"


Publicado em: 02/03/2017 - 11:03:16


A crônica é um gênero textual híbrido, situado entre o jornalismo e a literatura. Geralmente veiculada nos jornais e refletindo sobre temas do cotidiano, ela tende a ser um gênero efêmero. Mas o tratamento dado ao tema pode fazer com que a crônica transponha a barreira do tempo e ingresse no universo literário, onde o que é narrado torna-se perene pelo trabalho da expressão, pela “artesania” da palavra, como diria Manoel de Barros. Nesse caso, o cronista assume o papel de poeta do cotidiano. É assim que posso me referir com propriedade a Sandra Campos, cronista que vem publicando neste site e que em dezembro lançou “O homem avulso”, seu livro de estreia. Os textos ali reunidos, em sua maioria crônicas, nascem da sensível observação do dia a dia, da vida comum que nos cerca, de uma notícia ouvida no telejornal, de uma conversa no corredor do supermercado ou na sala de espera do odontologista. Na pseudo-banalidade do cotidiano a cronista encontra o decalque de insuspeitáveis reflexões ao mesmo tempo leve e profundas sobre o amor, a infância, a passagem do tempo, a criação de filhos, a desigualdade social, o comportamento de homens e mulheres no século XXI.

Às vezes o texto acusa a veia pulsante da memória e a autora vai buscar nas lembranças da infância o tema da sua crônica. Ela então indaga, comenta e interpreta o próprio passado, traduzindo para o leitor a densidade de sua experiência, com realismo e lucidez, sem perder contudo o senso poético. 

Ao entrar nos bosques da ficção, a escritora mostrou habilidade e imaginação, como revelam os contos que participam dessa coletânea. Um vizinho misterioso ou um gato pelo curto brasileiro servem de protagonistas em narrativas cujos bichos metaforizam dramas humanos, artifício que nos fazem lembrar contos de Ítalo Calvino ou Miguel Torga.

A intertextualidade é um ponto saliente dessas narrativas, que revela tanto o percurso de leituras da cronista quanto suas influências. O leitor encontrará cotejos com o jovem Werter, de Goethe, com a metamorfose de Kafka, com personagens de Alencar e Garcia Marques, com o pensamento de Machado e Saramago entre outros, sem falar nas remissões ao nosso repertório musical, que se encaixam e emprestam brilho à narrativa.

Em “O homem avulso” Sandra Campos passeia com leveza entre as palavras ao passo que tece seu texto, tendo como principais instrumentos a sensibilidade e o senso de observação. Convido o leitor a acompanhar a escritora nesse passeio, para fruir momentos de agradável leitura.

 



Fonte: Marcelo Brito/A Tribuna MT

Fotos







Página de 25

| | | | |
Próxima ->

New Page 1

 

© 2009-2016 Viva Feira - Todos os direitos reservados