Fechar Página

Sandro Penelú
É Cantor, compositor e violonista profissional, com especialização em violão popular e dissonante. Foi vencedor do Festival de Música da antiga Rádio Cultura, em 1988, recebendo ainda troféu melhor arranjo e melhor interpretação. Em 1989, participou do projeto “OFICINA DE MÚSICA”, coletânea gravada com diversos artistas emergentes da época, na qual, além de intérprete de sua própria música, foi também convidado especial para vocal em todas as faixas e responsável pelos arranjos de violão, participando também como diretor musical daquele projeto. Foi vice-campeão do I MUSIFEST, realizado no palco do Feira Tênis Clube (1991).
 
Conquistou por dois anos consecutivos o troféu Melhor Voz e Violão do Ano (1992 e 1993), promovido pela Nativa Chic Produções. Foi co-produtor e arranjador do disco de Janno, no qual uma música sua foi gravada, “Encanto”, a qual seguiu durante dez anos sendo tocada no rádio! Foi também finalista do I FECON, festival de música realizado em 1997, no palco do CCAAm, participando do disco deste festival em duas de suas faixas, um feito praticamente inédito em se tratando de festivais. Participou também como arranjador do disco de Almery Bastos, no qual tem uma participação especial em uma das faixas e acaba de lançar o seu próprio CD.
 
Sandro Penelú atua em casas de show, em Feira de Santana, há exatos vinte e um anos, sempre desfilando um repertório à base da MPB e Pop Nacional, além de exercer outras atividades vinculadas a arte e a noite feirense, sendo também colunista do Jornal “Feira Noite e Dia”, onde mantém uma coluna sobre atividades artística e uma agenda, na qual divulga seu trabalho e dos demais colegas artistas que a ele solicita.
 
Podemos afirmar que Sandro Penelú, é parte da Cultura e da noite feirense, por seu excelente trabalho, e também por seu espírito de solidariedade aos demais artistas da comunidade.
 
(VIVA FEIRA 2010)
 
SANDRO PENELÚ TEM A EXELÊNCIA DE SER UM CRIADOR INQUIETO, QUE ESTÁ SEMPRE SE RENOVANDO, POR ISSO MESMO, ELE ELABOROU VÁRIOS BLOGS PARA EXPRESSAR SUA ARTE LIVREMENTE. CONHEÇA OS TRABALHOS DE SANDRO, ALÉM DO CANETA AFIADA:









A vendinha de Seu Raimundo


Publicado em: 26/04/2018 - 16:04:04


Seu Raimundo é apenas mais um micro comerciante que montou, ao lado da sua casa, uma pequena mercearia, onde pôs de tudo um pouco. Ali, ele vai vendo quotidianamente a chegada dos vizinhos com seus carrões chiques, que nos finais de semana, ou de mês em mês, chegam com o bagageiro empanturrado de provisões embaladas em sacos que parecem não acabar mais.

Vez por outra, os filhos dessa burguesia compram na sua vendinha chicletes ou balas, sempre pechinchando e chorando por uma a mais.

Os filhos de Seu Mundinho, como é conhecido no bairro, quase sempre vão a pé para a escola.  O dinheiro é curto, a aposentadoria mal dá pra comprar o pão de cada dia. Os garotões da vizinhança passam por eles, muitos dirigindo seus próprios carros, som ligado no último volume – quase um mini trio elétrico – sem ao menos lhes dedicar um aceno sequer.

Porém, há um momento em que a burguesia corre aflita para o socorro do velho Mundinho... É quando falta o açúcar, a farinha, o café. Aí as empregadas, por ordem de suas patroas, correm até a sua modesta mercearia, munidas de um bilhetinho no qual se pode ler: “Seu Raimundo, por favor, despache um quilo de açúcar que depois eu pago”.

Seu Raimundo já está acostumado com o mundo. Já viveu o suficiente para entender muita coisa; para entender que aquele débito levará muito tempo para ser quitado, afinal quem tem dinheiro tem coisas mais importantes para fazer. Não vai se preocupar em pagar uma pequena conta na vendinha da esquina.

Se Seu Raimundo tem ou não dinheiro para repor o seu pequeno estoque, isso é problema exclusivamente dele. Ele que se vire e dê um jeito. E assim, com esse pensamento inconsciente, os vizinhos de Seu Mundinho continuam a circular com seus caros carros, os filhos do pequeno comerciante continuam indo a pé para a escola, as empregadas continuam a trazer os bilhetinhos de suas patroas e a vida – a incógnita vida – continua a mesma...

 

x.x.x.x

 

*REMÉDIO PRA FECHAR A BOCA - Cadialina, esse foi o medicamento indicado por um médico para uma dona de casa de Salvador combater dores no fígado e conseguir emagrecer. A paciente, de 33 anos, diz que, ao perguntar sobre onde encontraria o remédio, o médico recomendou que ela procurasse um ferreiro e comprasse seis cadeados. (Cá, cá, cá, cá!) Um para a sua boca, outro para a geladeira, outro para o armário, outro para o freezer, outro para o congelador e outro para o cofre de casa. (Cá, cá, cá, cá!)

 

*JEITO ESTRANHO DE MATAR SAUDADES - Um jovem tailandês, de 22 anos, furtou o crânio do próprio pai. Ele invadiu o cemitério, revirou o túmulo e pegou os restos mortais do seu genitor, que morreu há um ano. O rapaz confessou o furto e relatou aos policiais que pegou os restos mortais do pai porque sentia muitas saudades dele.

 



Fonte:







Página de 185

| | | | |
Próxima ->




(75) 4141-2757 (fixo) e (75) 8821-6940



New Page 1

 

© 2009-2016 Viva Feira - Todos os direitos reservados