menu
-Agenda Cultural
-Restaurantes
-Teatros
-Museus
-Comentários
-Fale conosco
-Política de Privacidade
-Utilidade Pública
-Links Feirense
-Artes Cênicas
-Artes Visuais
-Artesanato
-Bandas
-Literatura
-Músicos
ENTRETENIMENTO
-Cinema
-Arquivo de Eventos
-Festival Vozes da Terra
-Festival Gospel 2010
-Natal na Praça 2010
-Micareta 2011
-Últimos Eventos
-Radio Viva Feira
-TV Viva Feira
-Videos Viva Feira
COLUNISTAS
-Beto Souza
-Cezar Ubaldo
-Emanoel Freitas
-Fabiana Machado
-Luís Pimentel
-Maiara Angels
-Raymundo Luiz Lopes
-Sandra Campos
-Sandro Penelú
-Silvana Carneiro
 
 
 
SÉTIMA EDIÇÃO DO CIRCUITO CULTURAL BELGO BEKAERT ABRE INSCRIÇÕES PARA ESCOLAS PÚBLICAS QUE QUEIRAM RECEBER ATRAÇÕES TEATRAIS NA TEMPORADA 2017

Nos últimos seis anos, o Circuito já levou cerca de 65 mil espectadores feirenses ao teatro.Todas as apresentações são gratuitas e voltadas para o público infantojuvenil.

Publicado em: 25/07/2017 - 14:07:38

    Em 2017, escolas públicas de Feira de Santana poderão receber os espetáculos teatrais do Circuito Cultural Belgo Bekaert. Em sua sétima edição, o Circuito inova e leva as apresentações teatrais do programa para as escolas do município. As atrações são direcionadas ao público infantojuvenil e os diretores das instituições de ensino interessadas devem se inscrever para participarem do projeto.
    O Circuito Cultural Belgo Bekaert é realizado em Feira de Santana desde 2011 e já levou cerca de 65 mil espectadores às 278 apresentações promovidas em teatros, praças e escolas da cidade.
    Para participar, os diretores de escolas da rede pública do município devem acessar o site do Circuito e preencher o  formulário de inscrição http://www.circuitoculturalbelgobekaert.com/inscrição.  Posteriormente, a produção do Circuito Cultural entrará em contato com as escolas selecionadas, para ajustar os detalhes de produção.
    A edição 2017 começa em agosto e segue até o final de novembro, com apresentações dos espetáculos, nas escolas públicas selecionadas. "A proposta do Circuito na temporada 2017 é circular por escolas da rede pública de ensino de Feira de Santana e região e levar cultura, alegria e entretenimento ao estudantes", afirma Tamylla Rosa, coordenadora de Comunicação da Belgo Bekaert Arames, empresa responsável pelo projeto. Ela lembra que o Circuito tem contribuído para democratizar a cultura e formar público com espetáculos de reconhecida qualidade e atrações voltadas, especialmente, para crianças e jovens estudantes.
    "A programação do Circuito é formada por peças de grupos teatrais locais e nacionais de referência, espetáculos premiados em festivais, adaptações de clássicos do universo infantojuvenil, montagens com conteúdo educativo e musicais que agradam ao público de todas as idades mesmo sendo voltados para crianças e adolescentes", destaca Marcelo Carrusca, produtor do Circuito Cultural.
    Promovido pela empresa Belgo Bekaert Arames, além de Feira de Santana, o Circuito Cultural está presente em outras quatro cidades brasileiras - Contagem e Vespasiano (MG), Osasco e Hortolândia (SP) - e tem como proposta oferecer uma programação cultural regular à comunidade e democratizar a cultura como fonte de conhecimento e desenvolvimento.
    A iniciativa é viabilizada por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e conta com o patrocínio da Belgo Bekaert Arames, apoio da Prefeitura Municipal de Feira de Santana, Jornal Folha do Estado, Hotel Classe Apart e produção da Lima Produções Culturais. A programação e mais informações sobre o Circuito Cultural Belgo Bekaert podem ser conferidas na página  https://www.facebook.com/circuitoculturalbelgobekaert.

AUTORIA: Carol Campos



UNINASSAU DOA 100 KG DE ALIMENTOS PARA A APAE

Mantimentos foram arrecadados pelos estudantes durante o Trote Solidário

Publicado em: 18/07/2017 - 10:07:43

    De modo a contribuir com o importante trabalho realizado pela Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE), a Faculdade UNINASSAU Feira de Santana realizou, na tarde de quarta-feira (12), a doação de 100 kg de alimentos para a instituição. Saquinhos de guloseimas compostos por pipoca, chocolate, balas e pirulito também foram entregues para as crianças que estavam sendo atendidas no local.
    “O Grupo Ser Educacional, do qual a UNINASSAU faz parte, se preocupa com a questão da responsabilidade social e está engajado em vários projetos como este. Doar os mantimentos para a APAE é muito gratificante, pois sabemos das necessidades das pessoas que ali são atendidas”, explica Mirela Lacerda de Oliveira, coordenadora de Polo EAD da Faculdade, que acompanhou a ação.
    Segundo o coordenador técnico da APAE em Feira, Deraldo Gomes Azevedo, muitas pessoas que frequentam a instituição, às vezes, não tomam café da manhã, não almoçam e não têm nem o que jantar. “Por isso a gente oferece um lanche reforçado, justamente para poder suprir essa deficiência que a maioria deles têm”, completa Azevedo.
    Os alimentos foram arrecadados durante a campanha no Trote Solidário, realizada no mês de junho, entre os estudantes da UNINASSAU. A visita aconteceu na sede da APAE que, em Feira, conta com atendimento médico ambulatorial, oficinas terapêuticas e escola para quase 1.200 pessoas portadoras de deficiência intelectual de todas as idades. A instituição é filantrópica e mantida pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e também por meio das doações que chegam ao local.



AUTORIA: Release de Lana Mattos



EXPOSIÇÃO “E O HOMEM SE CONTORCE” DE MEIRE DE PAULA

A vernissage que acontece no Museu de Arte Contemporânea é uma coletânea inédita de desenhos abstratos.

Publicado em: 06/07/2017 - 10:07:53

    No próximo dia 14/07 às 19:30, acontece no Museu de Arte Contemporânea (MAC) a exposição “E o homem se contorce”, uma coletânea de desenhos abstratos da artista soteropolitana Meire de Paula. Em sua segunda exposição na cidade, Meire mostrará, através da arte, sua própria subjetividade baseada nas suas percepções da realidade.
    Serão aproximadamente 30 desenhos inéditos, que nos incitará a questionar "Que imagem é essa?". Segundo a artista “E o homem se contorce na luta diária, pra buscar um significado para a própria vida, para desvendar os mistérios ocultos de si mesmo e os mistérios do outro”, essa é a finalidade de sua mostra.
    SOBRE A ARTISTA
    Natural de Salvador-BA, Meire de Paula se destaca em suas várias habilidades, além de ser Artista Plástica profissional há cinco anos, ela é cantora, artesã e estudante de Filosofia na Universidade Estadual De Feira de Santana (UEFS), onde expôs na Biblioteca Central Julieta Carteado – UEFS. Além de Feira, ela teve duas exposições individuais em Roma na Itália, uma no ano de 2016 e outra em 2017.
    O evento também contará com um coquetel, som ao vivo da banda Candeeiro Encantado e performances de artistas presentes. Vale a pena conferir, o Viva Feira recomenda!

    SERVIÇO
    O QUÊ: Lançamento da exposição de Desenhos e Objetos
    ARTISTA: Meire de Paula
    QUANDO: 14 de julho às 19:30 h
    ONDE: MAC (Museu de Arte Contemporânea) – Feira de Santana
    QUANTO: Gratuito.


AUTORIA: Viva Feira



POETA ZECALU LANÇA PRIMEIRO LIVRO EM FEIRA NA CIDADE DA CULTURA


Publicado em: 04/07/2017 - 09:07:10

    O poeta Zecalu lança na sexta-feira (7), o livro MEIO POEMA BASTA!. O evento será realizado no tradicional espaço Cidade da Cultura, a partir das 20 horas e contará com as participações especiais do Quarteto Jackson e do Trilha Sonora para Criar Cabras, projeto idealizado pelo músico Brenus Tsokas e pelo próprio Zecalu.
    Rodeado de grande expectativa, o livro MEIO POEMA BASTA!, alia poesia e imagem de forma conceitual. O lançamento é apoiado pela empresa CSO Engenharia. A Cidade da Cultura é localizada na Rua H, nº 170 – Conjunto João Paulo II, em Feira de Santana.

AUTORIA: Elsimar Pondé



OS 40 ANOS DA RETIRADA DA ANTIGA FEIRA LIVRE DO CENTRO DA CIDADE É MOSTRA DO MUSEU CASA DO SERTÃO DA UEFS


Publicado em: 29/06/2017 - 14:06:15

    Com o título “A feira de Feira de Santana: transformações e permanências” o Museu Casa do Sertão da UEFS apresenta à comunidade aspectos sócios culturais relacionados a um dos marcos mais emblemáticos da história de Feira de Santana, que se desenvolveu em torno da feira livre, e ainda hoje tem no comércio ao ar livre um dos pilares da dinâmica econômica.
    A antiga feira livre localizava-se nas principais artérias da cidade, a saber: cruzamento das Avenidas Senhor dos Passos e Getúlio Vargas, Rua Marechal Deodoro, Praças João Pedreira e da Bandeira, e as Rua Marechal Deodoro e Sales Barbosa. Nestas, o feirense e pessoas oriundas de vários municípios da região, compravam e/ou vendiam uma gama diversificada de mercadorias: calçados, roupas, cerâmicas, hortifrutigranjeiros, produtos de couro, carnes, móveis, etc. Existiam espaços nos quais tipos de produtos específicos eram agrupados, setorizando a feira em outras especializadas, como a “feira das panelas”, onde se vendiam cerâmicas utilitárias, a feira do couro, com a venda da dita matéria prima ou de artefatos produzidos a partir da mesma, ou, ainda, o Mercado Municipal – atual Mercado de Arte Popular – onde, comercializavam-se carnes, feijão, farinha, etc.
    Para além do comércio tradicional de uma feira livre, na feira da Feira a polifonia cultural mantinha-se pela coexistência de sujeitos de classes sociais diferentes, com interesses e identidades distintos, que formavam uma algazarra no centro da cidade, trazendo em si aspectos culturais, mantidos pela tradição, forjados na lida diária, transformados pelo próprio cotidiano das relações sociais.
    A feira livre era também um espaço festivo, pontilhado pela presença de cantorias de violeiros; “pregão” de cordéis; cantadores de coco, vai-e-vem de vaqueiros, sanfoneiros, artistas de circo, artesãos, propangadistas que imbuídos de malabarismos artísticos vendiam produtos e artefatos que prometiam verdadeiros milagres, na cura de doenças ou no combate a pragas de toda ordem. Feirantes, fregueses, atacadistas, visitantes, transeuntes, observadores promoviam o fervilhar da feira. Muitos destes vestiam-se especialmente, afinal nunca se sabia ao certo quem encontraria nesse dia, notadamente, na segunda-feira em Feira de Santana; embarque e desembarque de gente, apressada em resolver compromissos diversos, a feira era concomitamente, um espaço de negócios, de lazer, de interação, de conflitos... de ver e ser visto, numa convivência entre feirantes, compradores, comerciantes de lojas, visitantes, transeuntes em geral, Calçadas e ruas apinhadas de gente e mercadorias.
    Contudo, sob os auspícios do projeto de modernização das décadas de 60 e 70, implementado pelos governos municipal, estadual e federal, no dia 10 de janeiro de 1977 a feira livre foi “retirada” oficialmente das ruas da cidade para um local dito adequado para uma cidade que almejava a industrialização.
    A exposição A feira de Feira de Santana: transformações e permanências, visa apresentar aspectos da antiga feira livre na rua, com suas divisões, organização, principais produtos comercializados, o regionalismo e a diversidade de artefatos e gêneros alimentícios comercializados. A mostra consta de 22 fotografias do fotógrafo Antonio Magalhães que retratam o último dia da feira livre realizada no centro da cidade, e 67 de Nei Rios que flagram permanências das tradições comerciais da cidade nas principais ruas do centro urbano, bem como a realização das feiras livres de bairros, como no Tomba, Estação Nova, Sobradinho e Cidade Nova.
    A exposição ainda apresenta uma pequena mostra de objetos comercializados no entreposto comercial, cedidos pela Associação dos Artesãos do Centro de Abastecimento, bem como peças do acervo do MCS/UEFS.
    Numa análise sobre a exposição o professor Clóvis Ramaiana sintetiza que “os dois tempos vistos na exposição: o de antes do fim e os depois do fim; o das imagens em preto-e-branco e o das coloridas; o analógico e o digital formam um mosaico de experiências retiradas de seus habitats e, sendo assim, se oferecem, generosas, para que as gentes dos hojes rememorem a trajetória da única coisas em comum nos dois conjuntos temporais: a resistência do povo que labuta diante dos ditames dos poderes públicos”.  
    A exposição integra a programação do seminário “Repensar Feira – A Uefs e o Observatório da Cidade”, que acontecerá no campus da Universidade nos dias 04 e 05 de julho.

    SOBRE OS FOTÓGRAFOS
    Antonio Magalhães
    É mineiro de Conselheiro Lafaiete e desde menino é apaixonado pela fotografia. Com 15 anos foi morar e trabalhar no Rio de Janeiro, onde comprou sua primeira câmera fotográfica e começou a registrar as belezas da Cidade Maravilhosa. No final de 1968, chegou a Feira de Santana, para viver na terra natal de sua esposa Zeny. Foi assim que Magalhães se incorporou à vida de Feira de Santana e passou a fotografar eventos sociais. Em 1971 passou a trabalhar com Antonio José Laranjeira, então colunista do Diário de Notícias. Depois, nos jornais A Tarde, Feira Hoje e Folha do Norte. Também fotografou para colunistas sociais como Eme Portugal, Cid Daltro e Oydema Ferreira. Magalhães foi diretor de fotografia do Observatório Astronômico Antares, do qual foi um dos fundadores. Em 1975, fundou a Associação Profissional dos Fotógrafos de Feira de Santana e foi presidente da entidade por seis anos, em duas gestões seguidas. Participou de vários cursos sobre fotografia, especializando-se em fotos de estúdio, mas sempre este    ve atento à vida da cidade, às suas transformações, com um rico registro imagético deste processo, que inspirou a obra História das lentes: Feira de Santana pelo olhar do fotógrafo Antonio Magalhães, dos professores Aldo José Morais Silva e Clóvis Frederico Ramaiana Morais Oliveira publicado pela UEFS Editora em 2009.
    Nei Rios
    É feirense criado entre Nanuque-MG e Ipirá-BA, e muito jovem, já trabalhava de carregador nas feiras do primeiro lugar, imprime as marcas de sua trajetória. As fotografias de Nei Rios sobre as feiras da Feira traçam preciosa síntese da ação de compartilhar/narrar. Nelas, o menino, o olhar curumim surge no encantamento pelas cores que fazem as feirinhas, pela profusão de tons que encantam os que compram e também aqueles que não compram. Um pouco da memória daquele que trabalhava sem poder parar e sentir o precioso encanto das coisas que colorem o olhar.
   
    SERVIÇOS
    Período da Exposição: 03 de julho a 15 de dezembro de 2017
    Horário de atendimento: Segunda: 14:00 as 17:30 h e Terça a sexta 8:15 as 11:30 e 14:00 as 17:30
    Endereço: Museu Casa do Sertão. Campus Universitário. Av Transnordestina, Bairro Novo Horizonte – Feira – Bahia. Tel. 75.3161.8750 / 8751 / 8752
    e-mail: museucasadosertao@gmail.com


AUTORIA: Museu Casa do Sertão



FUNCIONAMENTO DA CIDADE DURANTE O SÃO JOÃO

Confira o funcionamento de Feira de Santana para o feriado de São João

Publicado em: 21/06/2017 - 16:06:43


AUTORIA: Viva Feira



PROGRAMAÇÃO ARRAIÁ DO COMÉRCIO 2017

Com o intuito de resgatar, promover e valorizar as tradições juninas, o SESC em parceria com a Prefeitura Municipal, a ACEFS e demais parceiros, estará realizando no período de 09 a 17 de junho do corrente ano, uma autêntica festa de São João: o 17º “ARRAIÁ DO COMÉRCIO”.

Publicado em: 06/06/2017 - 10:06:52

    Visando repetir o sucesso dos anos anteriores, estaremos proporcionando aos feirenses e visitantes, um verdadeiro arraiá do interior, fomentando o aquecimento do comércio no centro da cidade, atraindo a comunidade com uma programação temática de qualidade num espaço onde todas as classes sociais tenham acesso e promovendo a integração campo/cidade, através da propagação de atividades genuinamente rurais (artesanatos, bebidas e comidas típicas). É importante frisar que todos os produtores passaram por um curso com duração de 02 dias (06/06 e 07/06) no SENAC sobre “Confecção e qualificação de produtos juninos e atendimento”, em que tiveram a oportunidade de desenvolver novos conhecimentos e aperfeiçoar o seu trabalho.
    A Praça João Barbosa de Carvalho (Praça do Fórum) e o Mercado de Arte Popular, já consolidados como espaços culturais, serão os palcos onde se apresentarão diversos trios forrozeiros, quadrilhas e grupos culturais da nossa cidade, entre as 11h e 22h, mostrando toda a alegria e magia que compõem a maior festa popular do Nordeste, valorizando assim o nosso Patrimônio Cultural e Humano.
    Convidamos todos os feirenses e visitantes a se deliciarem com muita comida e bebida típica ao som do autêntico forró pé-de-serra, observando a beleza e harmonia dos grupos culturais e a riqueza do artesanato regional. Venham e participem do Arraiá do Comércio 2017!

 

 


AUTORIA: Release de Ana Silmara Rabelo



PROJETO LEIA MULHERES – QUARTO DE DESPEJO (Carolina Maria de Jesus)


Publicado em: 01/06/2017 - 15:06:50

    O Projeto Leia Mulheres abre sua temporada em Feira de Santana no Museu de Arte Contemporânea, dia 03 de junho, às 16 horas. Na oportunidade será debatido o livro “Quarto de despejo”, da Carolina Maria de Jesus, que aborda temáticas do cotidiano de uma moradora pobre de uma comunidade na cidade de São Paulo no período de 1955 a 1960. O debate será mediado por Larissa Rodrigues e Mariana Paim.
    O Projeto tem como intuito valorizar e preservar na memória popular obras escritas por mulheres, de modo que se mantenham ativos os debates sobre as problemáticas propostas pelos livros.

    O QUÊ: Projeto Leia Mulheres – Livro “Quarto de despejo”, da Carolina Maria de Jesus.
    QUANDO: Dia 03 de Junho às 16 horas
    ONDE: MAC (Museu de Arte Contemporânea) – Feira de Santana
    QUANTO: Exibição gratuita.

AUTORIA: Museu de Arte Contemporânea



ARRAIÁ DO SHOPPING DAS LULUS SERÁ REALIZADO NO PRÓXIMO FINAL DE SEMANA

Evento é voltado para consolidar o empreendedorismo feminino

Publicado em: 30/05/2017 - 10:05:26

    Feira de Santana sedia no próximo final de semana mais uma edição do projeto “Shopping das LuLus”, ação idealizada desde 2016 pela professora e microempreendedora Quezia Carneiro, sócia da loja de moda feminina Via Vesty, a partir de um desejo de fortalecer o empreendedorismo feminino na cidade e região.
    Nesta atividade, vários segmentos de pequenas empresas (moda – feminina, infantil, masculina, íntima, fitness – bolsas e acessórios em couro, cosméticos nacionais e importados, perfumes de ambiente, calçados, bijuterias, semijoias, artesanato e muitas opções gastronômicas) se unem para divulgar as respectivas marcas e comercializar os produtos em dois dias de evento em locais diversos.
    Como a maioria dessas empresas é virtual, o projeto é concretizado durante showrooms durante o ano, sempre próximo a datas festivas, criando um ambiente de alegria e conforto para os visitantes, com espaço infantil para as crianças se divertirem enquanto os pais fazem compras, além de shows musicais.    
    O Arraiá do Shopping das LuLus será realizado no sábado e no domingo (dias 03 e 04 de junho), no Bar Zeca Pop Petiscaria, no espaço Ville Gourmet, localizado na Avenida João Durval Carneiro, com muito forró, sorteios, comidas típicas comercializadas na área gourmet e produtos de qualidade com preços acessíveis. A entrada é gratuita.
   
    SERVIÇO
    O QUE: Arraiá do Shopping das LuLus
    QUANDO: sábado e domingo (dias 03 e 04 de junho)
    ONDE: Bar Zeca Pop Petiscaria, no espaço Ville Gourmet, na Avenida João Durval Carneiro, nº 3655 – Feira de Santana – Bahia
    QUANTO: Entrada gratuita

AUTORIA: Elsimar Pondé



Mais Notícias

    Visando repetir o sucesso dos anos anteriores, estaremos proporcionando aos fe...

    O Projeto Leia Mulheres abre sua temporada em Feira de Santana no Museu de Art...

    Feira de Santana sedia no próximo final de semana mais uma ediç&...

    Uma das mais conceituadas atrizes do teatro em Feira de Santana, entre as d&ea...

    Em virtude dos festejos de Micareta em Feira de Santana, o Sebrae no munic&iac...

    Gilson Guimarães escreve desde a infância. Livros imaginár...

    Em seis dias dedicados ao microempreendedor individual, o Sebrae realiza, de 8...

    O Instituto Nobre de Cardiologia (Incardio) agora possui o primeiro Núc...


Página de 19
| | | | |

 

Apoio Cultural:



Campanha Amamentar
New Page 1

 

© 2009-2016 Viva Feira - Todos os direitos reservados