menu
-Agenda Cultural
-Restaurantes
-Teatros
-Museus
-Comentários
-Fale conosco
-Política de Privacidade
-Utilidade Pública
-Links Feirense
-Artes Cênicas
-Artes Visuais
-Artesanato
-Bandas
-Literatura
-Músicos
ENTRETENIMENTO
-Cinema
-Arquivo de Eventos
-Festival Vozes da Terra
-Festival Gospel 2010
-Natal na Praça 2010
-Micareta 2011
-Últimos Eventos
-Radio Viva Feira
-TV Viva Feira
-Videos Viva Feira
COLUNISTAS
-Beto Souza
-Cezar Ubaldo
-Emanoel Freitas
-Fabiana Machado
-Luís Pimentel
-Maiara Santos
-Raymundo Luiz Lopes
-Sandra Campos
-Sandro Penelú
-Silvana Carneiro
 
 
 
OITENTA TIROS NO CORAÇÃO DO BRASIL


Publicado em: 11/04/2019 - 00:04:51
Fonte: Luís Pimentel


    Último general presidente que a ditadura militar (hoje tão elogiada nas altas esferas do poder) nos feliz engolir, João Baptista Figueiredo, também era um especialista em caneladas. Depois de ter declarado que preferia o cheiro dos cavalos ao cheiro do povo, confessou que “daria um tiro no coco” se tivesse que sobreviver com um salário mínimo, e que ia prender e arrebentar quem não aceitasse a (então inevitável) abertura política.
    Figueiredo, que justificava nossa máxima “quem tem c*, tem medo”, era um oficial de cavalaria em cargo de intendência. Que nem o atual capitão, campeão em rejeição (rimas involuntárias), que além de exaltar os maiores torturadores de nossa História, brada pelas canelas ocas que aqui jamais tivemos golpe militar ou ditadura (o que nem os maiores ditadores foram capazes de negar).
    Enquanto isso, em nosso estado (de sítio), onde o governador recomenda mirar na cabecinha e apertar o gatilho, um trabalhador (músico profissional e segurança de uma creche-escola) é fuzilado por agentes públicos, do Exército, dentro do próprio carro, acompanhado de toda a família, a caminho de um inocente chá de bebê. Foram oitenta tirambaços, todos agora alojados no coração do Brasil.
    A pergunta que fica martelando (mas não chega aos ouvidos do governador nem do presidente) é: “Por que interromperam os nossos sonhos?” Era feita, a quem passasse pelo local do crime, pela viúva da vítima. Segundo a Polícia Civil, foram feitos mais de oitenta disparos. Parentes e amigos dizem que a família foi confundida com bandidos.
    Um homem parado na esquina comentou:
    – Atirar antes e perguntar depois. É lógica da guerra.
    É só mirar na cabecinha, não é, governador? Mas precisam mirar tanto?
    O delegado responsável pelo caso disse à reportagem deste jornal:
    “Tudo indica que os militares realmente confundiram o veículo com um bonde de bandidos. Mas neste veículo estava uma família. Nele não foi encontrada nenhuma arma de fogo nem outra qualquer. Tudo que foi apurado era que realmente era uma família normal, de bem, que acabou sendo vítima dos militares”.
    Também estavam no carro a mulher, o filho do artista, de sete anos, uma afilhada do casal, de treze, e o sogro dele, que também morreu.
    Em nota, o Exército garantiu que os dois abriram fogo contra a guarnição, “que revidou a injusta agressão”. A rima, acredito eu, homem de boa vontade, também é involuntária.



Apoio Cultural:



ProCom

Higienizar

Viva Feira
New Page 1

 

© 2009-2016 Viva Feira - Todos os direitos reservados